As peculiaridades do microbioma cutâneo humano

publicado

Se tem um assunto que desperta o interesse dos consumidores de produtos cosméticos, habituados desde a infância à ingestão dos “lactobacilos vivos”, e ainda intriga pesquisadores e desenvolvedores de produtos cosméticos é o microbioma cutâneo.

Caso você ainda não tenha tido a oportunidade de ler o texto publicado em 2017 pelo Cosmética em Foco sobre o assunto, aconselhamos a leitura. Tendo ciência dos conhecimentos lá compartilhados, poderemos melhor entender as evoluções da ciência nesses últimos anos. Considerando que esta é uma área de grande interesse na área cosmética atual, muitas tem sido as descobertas.

A microbiota humana

Indivíduos adultos abrigam aproximadamente 1 trilhão de bactérias, o que representa dez vezes o número de células da própria pessoa. O Projeto Microbioma Humano, estabelecido em 2007 pela National Institutes of Health (EUA), tem por objetivo identificar e caracterizar o microbioma. O projeto ainda visa explorar a ligação existente entre as doenças e evolução do microbioma, além de desenvolver novas tecnologias e ferramentas analíticas para análise de doenças crônicas. Estudos sobre o microbioma intestinal tem sido o primeiro foco de atenção, seguido pelos estudos da pele. O microbioma humano é o habitat de microrganismos que coexistem na superfície e dentro do corpo, onde comunidades complexas de bactérias, fungos e vírus prosperam. Sua composição depende das características da pele, como a concentração das glândulas sebáceas, umidade, temperatura, genética do hospedeiro e fatores ambientais exógenos.  

Anúncio

Estudos recentes revelam que a camada mais externa da pele está intimamente ligada ao seu microbioma, representando a primeira linha de defesa do organismo. A composição do microbioma em seres humanos saudáveis consiste em, pelo menos, 19 filos, dos quais Actinobacteria, Firmicutes, Proteobacteria e Bacteroidetes são os filos bacterianos mais predominantes, desconsiderando a predominância por área do corpo. Dentro desses filos, os 3 gêneros mais abundantes são: Propionibacterium, Corynebacterium e Staphylococcus. As espécies de Propionibacterium dominam as áreas sebáceas, e as espécies de Staphylococcus e Corynebacterium dominam áreas úmidas.

Uma distinção pode ser feita entre espécies. As espécies comensais estão em contato com a pele e as membranas mucosas de um hospedeiro sem causar doença. Já as espécies patogênicas são capazes de causar doenças a hospedeiros com sistema de defesa saudável. E as espécies oportunistas pode se tornam patogênicas quando as defesas do hospedeiro estão enfraquecidas.

A maioria das bactérias da pele são comensais, não prejudicam o indivíduo e contribuem para a diversidade do microbioma. Essa diversidade pode promover a competição contra bactérias patogênicas pela presença de fatores antimicrobianos, competição e ocupação de superfície e pH ácido por exemplo. Desta forma, os comensais podem modular o sistema imunológico, direcionando-o para atacar os microrganismos causadores de doenças, o que pode reduzir a gravidade das doenças inflamatórias. Distúrbios a esse equilíbrio podem permitir a colonização por espécies oportunistas e bactérias patogênicas, capazes de causar doenças ou infecções de pele.

Anúncio

A microbiota da pele desempenha papel relevante para sua função barreira, na proteção do organismo contra as ameaças oferecidas pelo meio ambiente. Para cumprir esse papel, a microbiota permanece dinâmica ao longo da vida humana.

Alterações naturais do microbioma cutâneo humano

O nascimento representa mudanças drásticas para a pele do recém-nascido, que sofre a transição repentina de um ambiente aquoso para o ambiente atmosférico. Imediatamente após o nascimento, a pele do recém-nascido é colonizada por microrganismos. Pesquisadores descobriram que esta colonização depende da via através da qual se deu o nascimento: a microbiota de bebês nascidos por parto normal assemelha-se às bactérias vaginais da mãe, com predominância de Lactobacillus, enquanto a microbiota dos bebês nascidos por cesariana assemelha-se às bactérias cutâneas, como Staphylococcus, Corynebacterium e Cutibacterium (anteriormente denomidadas Propionibacterium); neste caso, a diversidade da microbiota apresentou-se reduzida em relação aos recém-nascidos por parto normal. Essa redução de diversidade pode causar alteração nas funções nutricionais e imunológicas do indivíduo, podendo explicar parcialmente a maior suscetibilidade de bebês nascidos por cesárea a certos patógenos e alergias. Pesquisadores observaram que a via de parto tem um impacto no microbioma cutâneo das crianças de até 10 anos. Diferentemente dos adultos, observou-se que a microbiota dos recém-nascidos não se apresentou diferenciada em diferentes partes do corpo.  

A maturação gradual da composição, função e estrutura do microbioma da pele continua ao longo dos primeiros anos de vida. Observou-se um declínio das espécies de Staphylococcus e Streptococcus, o que pode contribuir para o aumento da diversidade da população. O microbioma da pele em bebês se estabiliza com o tempo e, como em adultos, torna-se progressivamente específico do local: este processo começa nos primeiros 3 meses de vida e reflete um equilíbrio entre o influxo de cepas microbianas e seleção. Picos no número de gêneros por indivíduo foram encontrados aos 6 e 9 meses de vida, correspondendo aos períodos em que a atividade física começou a aumentar e as fontes de alimentos começaram a se expandir.

Anúncio

Estudos sobre a microbiota infantil revelaram que os principais filos encontrados foram semelhantes aos encontrados em adultos, como Proteobacteria, Firmicutes, Actinobacteria e Bacteroidetes, com os mesmos gêneros, mas em proporções diferentes. Por exemplo, a pele das crianças contém bactérias menos lipofílicas (Actinobacteria, predominantemente Cutibacterium), já que o nível de sebo tende a ser menor do que em adultos.

Durante a transição pela puberdade, o microbioma da pele demonstrou mudar notavelmente, de uma predominância de Firmicutes, Bacteroidetes e Proteobacteria para as Actinobactérias mais lipofílicas (Corynebacterium e Cutibacterium). A maior produção de sebo tem sido associada à supercolonização pela bactéria comensal Cutibacterium acnes. Esta perda da diversidade de cepas leva a um desequilíbrio da microbiota da pele (desequilíbrio este chamado disbiose cutânea) e potencialmente para acne. Embora estas bactérias dominem a microbiota dos folículos pilossebáceos em indivíduos com e sem acne, estudos recentes indicaram que a maior abundância de alguns filos com o potencial para atuar como patógenos oportunistas está associada a casos de lesões de acne.

As diferenças fisiológicas e anatômicas mais pronunciadas entre homens e mulheres que surgem na adolescência, como suor, sebo e produção de hormônios, também são apontadas como possíveis explicações para as diferenças entre o microbioma cutâneo observado entre adultos de sexos diferentes.

Anúncio

Embora a composição microbiana da pele de indivíduos saudáveis permaneça estável durante idade adulta, mudanças fisiológicas relacionadas à idade – particularmente alterações na secreção de sebo, função imunológica e diminuição no suor – pode afetar o microbioma da pele de indivíduos mais velhos. Observou-se que os adultos de mais idade (50-60 anos) apresentaram redução na diversidade bacteriana quando comparados aos adultos mais jovens (25-35 anos), independentemente de sexo. Pesquisadores também observaram que, entre indivíduos mais velhos, a riqueza de espécies em homens mais velhos apresentou-se reduzida quando comparada às mulheres mais velhas. Essas diferenças de sexo foram atribuídas especialmente às diferenças fisiológicas entre microambientes de pele masculina e feminina, como hormônios, metabolismo, taxa de transpiração, teor de lipídios e pH, mas também pode estar associado ao uso de cosméticos ou exposição solar.

É importante considerar que a composição do microbioma da pele é heterogênea, com variação de pessoa para pessoa, dependente da localização no corpo (varia por características fisiológicas), sexo, idade, etnia e meio ambiente (clima, estresse, dieta, estilo de vida, medicamentos utilizados, higiene, hábitos). 

Desta forma, a biodiversidade do microbioma cutâneo pode estar diretamente relacionada à saúde geral da pele, uma vez que os distúrbios de pele, como dermatite atópica e psoríase, estão frequentemente associados à disbiose.

Anúncio

Avanços nas técnicas de sequenciamento de última geração (NGS) estimularam a pesquisa sobre a composição de o microbioma da pele e suas implicações para a saúde e possíveis condições específicas de pele. Técnicas atualmente utilizadas, como sequenciamento do gene 16S rRNA e sequenciamento completo do genoma (WGS), são capazes de revelar associações entre o microbioma da pele e a condição cutânea do indivíduo para grande variedade de distúrbios de pele, incluindo acne vulgar, dermatite atópica, rosácea e psoríase. E este será o assunto do próximo texto dessa série sobre microbioma.

Referencial Bibliográfico:

BALDWIN, Hilary E. et al. The role of cutaneous microbiota harmony in maintaining a functional skin barrier. SKIN The Journal of cutaneous medicine, v. 1, p. s139-s139, 2017.

Anúncio

CALLEJON, Sylvie et al. Respect of skin microbiome with different types of leave-on skincare products, an ecobiological approach. 2020.

CALLEJON, Sylvie et al. Respect of skin microbiome with different types of leave-on skincare products, an ecobiological approach. 2020.

CAPONE, Kimberly A. et al. Diversity of the human skin microbiome early in life. Journal of Investigative Dermatology, v. 131, n. 10, p. 2026-2032, 2011.

Anúncio

CHEN, Yiyin Erin; TSAO, Hensin. The skin microbiome: current perspectives and future challenges. Journal of the American Academy of Dermatology, v. 69, n. 1, p. 143-155. e3, 2013.

CHU, Derrick M. et al. Maturation of the infant microbiome community structure and function across multiple body sites and in relation to mode of delivery. Nature medicine, v. 23, n. 3, p. 314-326, 2017.

DIMITRIU, Pedro A. et al. New insights into the intrinsic and extrinsic factors that shape the human skin microbiome. MBio, v. 10, n. 4, p. e00839-19, 2019.

Anúncio

DOMINGUEZ-BELLO, Maria G. et al. Delivery mode shapes the acquisition and structure of the initial microbiota across multiple body habitats in newborns. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 107, n. 26, p. 11971-11975, 2010.

DRÉNO, B. et al. Microbiome in healthy skin, update for dermatologists. Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology, v. 30, n. 12, p. 2038-2047, 2016.

DRÉNO, Brigitte et al. Cutibacterium acnes (Propionibacterium acnes) and acne vulgaris: a brief look at the latest updates. Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology, v. 32, p. 5-14, 2018.

Anúncio

DRÉNO, Brigitte et al. The skin microbiome: a new actor in inflammatory acne. American Journal of Clinical Dermatology, p. 1-7, 2020.

DRÉNO, Brigitte et al. The skin microbiome: a new actor in inflammatory acne. American Journal of Clinical Dermatology, p. 1-7, 2020.

GLATZ, Martin et al. Emollient use alters skin barrier and microbes in infants at risk for developing atopic dermatitis. PloS one, v. 13, n. 2, p. e0192443, 2018.

Anúncio

GRICE, E. A. et al. Comparative Sequencing Program NISC, Bouffard GG, Blakesley RW, Murray PR, Green ED, Turner ML, Segre JA. Topographical and temporal diversity of the human skin microbiome. Science, v. 324, n. 5931, p. 1190-2, 2009.

GRICE, E. A.; SEGRE, J. A. The skin microbiome. Nat. Rev. 2011.

GRICE, Elizabeth A. et al. Topographical and temporal diversity of the human skin microbiome. science, v. 324, n. 5931, p. 1190-1192, 2009.

Anúncio

GRICE, Elizabeth A.; SEGRE, Julia A. The skin microbiome. Nature reviews microbiology, v. 9, n. 4, p. 244-253, 2011.

JOHNSON, Coreen L.; VERSALOVIC, James. The human microbiome and its potential importance to pediatrics. Pediatrics, v. 129, n. 5, p. 950-960, 2012.

KONG, Heidi H. Details matter: designing skin microbiome studies. Journal of Investigative Dermatology, v. 136, n. 5, p. 900-902, 2016.

Anúncio

KONG, Heidi H.; SEGRE, Julia A. Skin microbiome: looking back to move forward. Journal of Investigative Dermatology, v. 132, n. 3, p. 933-939, 2012.

LUNA, Paula Carolina. Skin microbiome as years go by. American Journal of Clinical Dermatology, p. 1-6, 2020.

LYNDE, Charles W. et al. The skin microbiome in atopic dermatitis and its relationship to emollients. Journal of cutaneous medicine and surgery, v. 20, n. 1, p. 21-28, 2016.

Anúncio

LYNDE, Charles W. et al. The skin microbiome in atopic dermatitis and its relationship to emollients. Journal of cutaneous medicine and surgery, v. 20, n. 1, p. 21-28, 2016.

OH, Julia et al. Shifts in human skin and nares microbiota of healthy children and adults. Genome medicine, v. 4, n. 10, p. 1-11, 2012.

OH, Julia et al. Temporal stability of the human skin microbiome. Cell, v. 165, n. 4, p. 854-866, 2016.

Anúncio

PETERSON, Jane et al. The NIH human microbiome project. Genome research, v. 19, n. 12, p. 2317-2323, 2009.

PICARDO, Mauro; OTTAVIANI, Monica. Skin microbiome and skin disease: the example of rosacea. Journal of clinical gastroenterology, v. 48, p. S85-S86, 2014.

SCHOLZ, Christian FP; KILIAN, Mogens. The natural history of cutaneous propionibacteria, and reclassification of selected species within the genus Propionibacterium to the proposed novel genera Acidipropionibacterium gen. nov., Cutibacterium gen. nov. and Pseudopropionibacterium gen. nov. International journal of systematic and evolutionary microbiology, v. 66, n. 11, p. 4422-4432, 2016.

Anúncio

SCHOMMER, Nina N.; GALLO, Richard L. Structure and function of the human skin microbiome. Trends in microbiology, v. 21, n. 12, p. 660-668, 2013.

WANG, Hailun et al. Longitudinal Changes in Skin Microbiome and Microbes Associated with Change in Skin Status in Patients with Psoriasis. Acta Dermato-venereologica, 2020.

YING, Shi et al. The influence of age and gender on skin-associated microbial communities in urban and rural human populations. PloS one, v. 10, n. 10, p. e0141842, 2015.

Anúncio

YU, Y. et al. Changing our microbiome: probiotics in dermatology. British Journal of Dermatology, v. 182, n. 1, p. 39-46, 2020.

ZHU, Ting et al. Age and mothers: potent influences of children’s skin microbiota. Journal of Investigative Dermatology, v. 139, n. 12, p. 2497-2505. e6, 2019.

Anúncio

Por Gisely Spósito

Redatora. Farmacêutica-Bioquímica, Mestre em Ciências Farmacêuticas e Doutora em Ciências Farmacêuticas, especificamente em Medicamentos e Cosméticos pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP-USP). Tem experiência em Tecnologia de Cosméticos, do desenvolvimento à análise sensorial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *