Muito se fala de se questiona sobre a queda dos cabelos, mas a maioria das pessoas tem dificuldade de aceitar que para compreender por que os cabelos caem é necessário compreender como eles nascem.

Os pelos e cabelos são anexos cutâneos importantes para a adaptação da nossa espécie, pois nos ajudam a manter a temperatura corporal. Eles protegem a pele de intempéries e do excesso de exposição do sol (mas nunca deixa de usar fotoprotetor, ok?). Além disso, os pelos e cabelos também diferenciam os indivíduos (cor dos cabelos, comprimento, barba, etc.) e até mesmo as diferentes espécies de mamíferos.

Cabelos humanos e pelos animais têm morfologia e fisiologia similares.
Foto: freepic.diller / freepik.com

Os tipos de pelos e cabelos

Os primeiros pelos crescem finos, sem medula e geralmente sem pigmentação, são chamados de lanugo ou lanugem, e caem antes do nascimento. O pelo pós-natal é classificado de duas formas: o pelo vellus fino, sem medula e curto do corpo, e o pelo terminal mais longo e escuro do couro cabeludo (esse mesmo que está na sua cabeça nesse momento, se você não for calvo). Até 10% dos cabelos normais do couro cabeludo humano são cabelos vellus. São pelos com menos de 3mm de comprimento e com menos de 30mm de espessura.

Com o avanço da idade, ocorre diminuição na densidade de fios na cabeça e em alguns casos até calvície. No entanto, ao contrário do que se pensa os bulbos não morrem, apenas perdem o estímulo celular para continuar promovendo o crescimento de novos fios de cabelo por meio da divisão celular. Há atualmente diversas pesquisas em terapias que estimulem esse crescimento, para o tratamento e prevenção da calvície.

Os fios de cabelo normais são uniformes em espessura e cor em todo o seu comprimento. Cabelos terminais podem ter uma medula, que é contínua, interrompida, fragmentada ou ausente. Mas afinal, o que é folículo e bulbo? O que é medula, córtex e cutícula dos cabelos? Veja a seguir.

O folículo piloso e a fibra capilar

Cada folículo piloso se origina da interação entre a derme e a epiderme. Uma lâmina de células epidérmicas invagina-se para formar uma bolsa que engloba uma pequena papila dérmica, o bulbo capilar. Neste processo forma-se o folículo piloso ou canal piloso.

Durante a formação do feto no útero da mãe, os folículos se formam em toda a extensão corporal e não haverá a formação de nenhum novo folículo depois do nascimento. O número total de folículos em um homem adulto é de aproximadamente cinco milhões, dos quais cerca de um milhão está na cabeça e de 100 a 140 mil no couro cabeludo.

Crescendo a partir do bulbo, a fibra capilar (a haste do cabelo) é formada por três regiões concêntricas: medula, córtex e cutícula. Trata-se de um longo cilindro altamente organizado composto de células queratinizadas capazes de resistir a forças degenerativas como fricção, flexão, extensão e radiação ultravioleta.

A medula é a camada mais interna, formada por células transparentes e espaços vazios (bolhas de ar) que variam entre diferentes tipos de cabelo. Não está presente em todos os fios e nem tampouco em toda a extensão destes. Muitas vezes é difícil identificar a medula ao microscópio, pois ela pode estar talvez totalmente ausente. As células que compõem a medula possuem vacúolos ricos em glicogênio e grânulos medulares, que contêm citrulina.

O folículo piloso é subdividido em diversas regiões, cada uma com uma função na constituição das hastes dos fios.
O folículo piloso.
Foto: adaptado de Park et al. (2018).

O córtex é a camada intermediária, é o centro da haste capilar responsável pelo volume e resistência mecânica ao cabelo. Ele é formado por células que se queratinizam sem formar grânulos (processo conhecido como queratinização truiquilemal). A estrutura filamentosa do córtex permite que um único fio de cabelo resista à deformação de até 100g, enquanto a estrutura helicoidal lhe confere elasticidade. Portanto, uma cabeça cheia de cabelo pode segurar até 10 toneladas de peso. Os grupos de filamentos de queratina no córtex são mantidos juntos graças às ligações de dissulfeto, hidrogênio e ligações salinas. O córtex corresponde a 90% do peso total dos cabelos e é responsável por armazenar a maior parte da umidade dos cabelos, além de alojar os grânulos da melanina que dão a cor natural aos cabelos.

A cutícula é a camada mais externa, formada por 8 a 10 camadas sobrepostas de células planas. Essas células de aproximadamente 3mm de espessura estão apontadas para fora e para cima, como telhas em um telhado. A cutícula envolve o córtex e também reflete a luz e dá ao cabelo aparência de saudável. A cutícula é a parte do cabelo sujeita aos danos diários e é onde a grande maioria dos produtos age (mesmo alguns que prometem ação de proteínas no córtex).

É o tamanho da papila e do bulbo que determinam o diâmetro do cabelo. A matriz contém as células de germinação do cabelo que se dividem rapidamente e migram para cima, dando origem à haste do pelo e à bainha da raiz interna. A melanina é transferida dos melanócitos encontrados entre as células basais da matriz do cabelo para as células, que compõem o eixo do cabelo. A pigmentação do cabelo é determinada pela quantidade de melanina depositada na haste capilar em crescimento.

É muita informação ao mesmo tempo, mas o principal para entender melhor a queda dos cabelos está na próxima seção, onde trataremos do ciclo natural de crescimento do cabelo.

Ciclo de crescimento do cabelo

O ser humano possui aproximadamente 100.000 hastes de cabelo do couro cabeludo, cada uma em vários graus do ciclo de crescimento do cabelo. Este ciclo de vida de uma haste de cabelo humano dura em média 3,5 anos. Quase todos os folículos pilosos apresentam atividade cíclica, que compreende três fases distintas:

A fase anágena é uma fase ativa na qual o cabelo se forma. É a fase ativa de crescimento do cabelo, quando os fios de cabelo pigmentados são gerados e o folículo atinge seu comprimento e volume máximos.

A fase catágena é o período de involução, quando o epitélio do folículo se desintegra, soltando-se e subindo.

A fase telógena é a fase estacionária, quando a fibra capilar completamente formada encontra-se ancorada no folículo com sua base expandida e a papila dérmica fica livre, reduzindo-se a uma forma embrionária secundária pequena e inativa. Este estágio de repouso ou repouso do ciclo de crescimento do cabelo é caracterizado por uma diminuição acentuada na atividade proliferativa e bioquímica do folículo piloso. Embora haja crescimento de cabelo ativo ou involução ocorrendo, a existência de alguma atividade de base é considerada importante na regulação intrínseca do ciclo capilar. Durante esta fase, os receptores de estrogênio são expressos ao máximo.

As fases do ciclo de crescimento capilar.
Foto: The World’s Best Anatomical Charts. Anatomical Chart Company.

O folículo entra em atividade novamente no final do período telógeno, com o crescimento interno da forma embrionária que volta a cobrir a papila dérmica, de modo a reconstruir a matriz, empenhando-se em formar um novo fio de cabelo. Finalmente, as hastes se desprendem ou renovam-se.

Dessa forma, todos os pelos do corpo alcançam o comprimento terminal, determinada principalmente pela duração do período anágeno e, em partes, pela velocidade de crescimento. Essas características variam de acordo com as zonas onde eles estão localizados. No couro cabeludo, a fase anágena pode durar três anos ou até mais.

Fase de Crescimento Tempo Médio de Duração

Fase de CrescimentoTempo de Duração
Anágena2 a 7 anos
Catágena14 a 28 dias
Telógena90 dias

Neste exato momento, uma média de 13% dos folículos estão na fase telógena e aproximadamente 1% na fase catágena. Deste modo, em um couro cabeludo contendo cem mil folículos com ciclo médio de 1000 dias, cerca de 100 hastes de cabelo caem a cada dia, sendo naturalmente repostos sem problema.

A velocidade de crescimento dos cabelos é mais rápida nas mulheres que nos homens. No entanto, o crescimento médio de um folículo piloso ativo no couro cabeludo é de 0,5 mm por dia.

Influência dos hormônios no crescimento dos cabelos

O controle hormonal do ciclo folicular parece ocorrer em diferentes níveis. Cada folículo apresenta um ritmo intrínseco influenciado por fatores sistêmicos. Os hormônios podem afetar a estrutura do pelo, a velocidade de crescimento ou a duração da fase anágena (período de crescimento), retardando-a ou prolongando-a.

Os hormônios sexuais como estrógeno e testosterona são os principais influenciadores do crescimento de pelos e cabelos. O estrógeno diminui a velocidade de crescimento e a duração da fase anágena. A testosterona, como seu metabólito ativo diidotestosterona (DHT), ativa a produção de proteínas que reduzem gradualmente a fase anágena a cada ciclo de crescimento nos folículos da cabeça. Há evidências de que o hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) pode estimular ou prologar a fase anágena, induzindo à hipertricose. Já a tiroxina aumenta o crescimento, mas reduz o período anágeno.

Influência da alimentação no crescimento dos cabelos

Não há dúvidas de que cabelos sedosos, hidratados e com brilho natural dependem diretamente da alimentação balanceada e não somente dos cosméticos mais caros e tecnológicos. Isso porque como tecido morto, o fio de cabelo é o último local em ordem de prioridade nutritiva em caso de escassez de qualquer nutriente no corpo.
Uma deficiência de proteínas, por exemplo, deixa os cabelos escassos, finos, frágeis e com perda de seus pigmentos naturais.

As vitaminas do complexo B são importantes para o crescimento normal dos cabelos e para a queratinização da epiderme, tecido do qual os cabelos se originam. Por outro lado, o excesso da vitamina A (hipervitaminose), muito utilizada no tratamento da psoríase, é manifestado como a queda de pelos e cabelos.

Por isso, o importante é manter uma alimentação balanceada e buscar orientação especializada de seu médico e nutricionista.

Referências:

Buffoli, B., Rinaldi, F., Labanca, M., Sorbellini, E., Trink, A., Guanziroli, E., … Rodella, L. F. (2013). The human hair: from anatomy to physiology. International Journal of Dermatology, 53(3), 331–341. Disponível em: <https://doi:10.1111/ijd.12362>

Hunter, J. A. A., Savin, J. A. e Dahl, M. V. Clinical dermatology. Massachusetts : Blackwell Science, 2003.

Leonardi, G. R. Cosmetologia Aplicada. São Paulo : Medfarma, 2004.

Park, A. M.; Khan, S.; Rawnsley, J. Hair Biology: Growth and Pigmentation. Facial Plast Surg Clin N Am, v.26., Nov, 2018, pp.415-424. Disponível em: <https://doi.org/10.1016/j.fsc.2018.06.003>

Paye, M.; Barel, A. O.; Maibach, H. I. Handbook of Cosmetic Science and Technology. Second Edition. New York : Taylor & Francis, 2006.

Ribeiro, C. J. Cosmetologia Aplicada a Dermoestética. São Paulo : Pharmabooks, 2006.

Rudnicka, L.; Olszewska, M.; Waśkiel, A.; Rakowska, A. Trichoscopy in Hair Shaft Disorders. Dermatol Clin, v.36, Oct, 2018, pp.421–430. Disponível em: < https://doi.org/10.1016/j.det.2018.05.009>

Wilkinson, J. B. e Moore, R. J. Cosmetología de Harry. Madrid : Ediciones Diaz de Santos, 1990.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui