Fator de Hidratação Natural (NMF)

ANÚNCIO

Nem só de sombra e água fresca se vale a pele! Ela está envolvida em uma batalha constante para manter uma barreira de umidade ideal, ao mesmo tempo em que busca oferecer proteção ao organismo. A camada mais externa da pele, chamada estrato córneo, na complexidade de seu funcionamento cotidiano visa manter a hidratação em oposição a condições ambientais sempre em mudança.

Para que os seres humanos consigam sobreviver em ambiente terrestre, a água é absolutamente essencial ao funcionamento regular da pele. A perda de água através da pele deve ser cuidadosamente regulada, e esta é uma função dependente da complexa natureza do estrato córneo.

O estrato córneo e a perda de água

O estrato córneo consiste em queratinócitos terminalmente diferenciados (corneócitos) e no conteúdo secretado por corpos lamelares. Cada corneócito é originário de um queratinócito ativamente proliferante na epiderme abaixo do estrato córneo. Os corneócitos criam um caminho tortuoso para que as moléculas atravessem, aumentando efetivamente o comprimento da difusão e melhorando assim sua função de barreira. Os lípideos extracelulares reduzem ainda mais a taxa de fluxo de água através do tecido. A constituição e, portanto, a eficácia da barreira lipídica é dependente das concentrações absolutas e das proporções relativas dos diferentes lipídios (por exemplo, ceramidas, colesterol e ácidos graxos).

Pequenas perdas de água ocorrem através do estrato córneo e são capazes de hidratar suas camadas externas, mantendo a flexibilidade e facilitando as reações enzimáticas que conduzem à maturação deste estrato. Se o teor de água do estrato córneo cair abaixo de um nível crítico (ou seja, se esta perda transepidérmica de água –TEWL– aumentar), a função enzimática necessária para a descamação normal é prejudicada, levando à adesão dos corneócitos e ao acúmulo de corneócitos na superfície cutânea, resultando em aparência de pele seca e flácida.

a água está presente no fator de hidratação natural
Beber água é importante para manter a pele hidratada.
Fonte: Freepik.

A retenção de água no estrato córneo depende de dois componentes principais: (1) os lipídios intercelulares ordenados para formar uma barreira contra a perda transepidérmica de água (TEWL), conforme explicado acima, e (2) a presença de agentes higroscópicos naturais dentro dos corneócitos (coletivamente conhecidos como fator de hidratação natural ou NMF – Natural Moisturizing Factor). A capacidade de retenção de água do estrato córneo é altamente dependente do fenótipo dos corneócitos, da sua disposição espacial, da composição precisa e da embalagem física dos lipídios extracelulares e da presença de compostos altamente higroscópicos encontrados em grande parte nos corneócitos. Cada passo de maturação que leva à formação de uma barreira eficaz contra a umidade – incluindo o fortalecimento dos corneócitos, o processamento de lipídios e a geração de NMF – é influenciado pelo nível de hidratação do estrato córneo.

Os complexos mecanismos de hidratação da pele também são influenciados por outros fatores intrínsecos ao estrato córneo. Descobriu-se que o glicerol, um ingrediente cosmético bastante conhecido, existe no estrato córneo como um umectante natural endógeno. Também o hialuronano é encontrado na epiderme e é importante para manter a estrutura estrato córneo normal, bem como a função da barreira epidérmica. Além destes fatores, a descoberta da proteína aquaporina-3 transportadora de água na epiderme viável e a presença de estruturas na junção entre o estrato granuloso e estrato córneo trouxeram novos conhecimentos sobre os mecanismos de distribuição da água e função barreira da pele.

O Fator de Hidratação Natural (NMF)

Encontrado exclusivamente no estrato córneo, o NMF consiste principalmente em aminoácidos ou seus derivados, como ácido pirrolidona carboxílico (PCA) e ácido urocanico, juntamente com ácido lático, ureia, citrato e açúcares (Tabela 1).

TABELA 1: Composição química do NMF

Composição química (%)
Ácidos amino livres 40
Ácido pirrolidona carboxílico 12
Lactato 12
Açúcar 8.5
Ureia 7
Cloreto 6
Sódio 5
Potássio 4
Amônia, ácido úrico, glucosamina e creatina 1,5
Cálcio 1,5
Magnésio 1,5
Fosfato 0,5
Citrato 0,5

Os compostos do NMF estão presentes em altas concentrações dentro dos corneócitos e representam até 30% do seu peso seco. Ao absorver a água atmosférica e dissolver-se, os componentes higroscópicos de NMF atuam como umectantes muito eficientes. Biologicamente, esta umectância permite que as camadas mais externas do estrato córneo permaneçam hidratadas apesar da ação de ressecamento causada pelo meio ambiente, tais como por fatores climáticos, exposição aos raios UV, queimaduras, substâncias químicas; além de patologias, lesões, envelhecimento, etc.

ANÚNCIO

Segundo dados de microscopia eletrônica, os corneócitos não parecem estar inchados quando em presença de baixos níveis de hidratação (18-26%), sugerindo que apenas água ligada esteja presente no estrato córneo. No entanto, em níveis maiores de hidratação (57-87%), os corneócitos apresentam-se mais inchados na porção central do estrato córneo em comparação com as camadas superficiais e profundas. Os corneócitos que possuem maior concentração de NMF retém mais água e parecem mais inchados quando vistos sob microscopia eletrônica. No entanto, o NMF é muito mais importante que isso. À medida que nossa compreensão da diferenciação terminal e do processo de maturação do estrato córneo aumentou, ficou claro que, ao manter a água livre no estrato córneo, o NMF também facilita eventos bioquímicos críticos. O exemplo mais marcante disso é a regulação de várias proteases de corneócitos que são responsáveis ​​pela geração do próprio NMF.

O papel dos corneócitos e do NMF

Os corneócitos são a barreira física do estrato córneo e contribuem para o aspecto e propriedades superficiais da pele. Eles são células anucleadas preenchidas com glândulas de queratina, bem como aminoácidos e outras moléculas pequenas (coletivamente chamadas de NMF) derivadas da degradação da filagrina, uma proteína que envolve os filamentos de queratina. Uma concha de proteína altamente reticulada, chamada envelope cornificado, envolve os corneócitos que, juntamente com os filamentos de queratina, conferem tanto flexibilidade quanto resiliência mecânica ao estrato córneo.

Este estrato tem aproximadamente 20% de água, dos quais uma fração é fortemente ligada a moléculas higroscópicas (NMF). Esta fração de água é proporcional à umidade relativa externa. A fração restante de água está ligada dentro da queratina intracelular e geralmente não muda em condições não-patológicas. O NMF é encontrado dentro dos corneócitos e é uma mistura de moléculas higroscópicas que ajudam a manter a hidratação no corneócito e portanto mantêm o estrato córneo hidratado.

Muitos fatores podem influenciar o conteúdo do NMF. Grande parte do NMF solúvel é lavado para fora do estrato córneo superficial na pele exposta a agentes de limpeza rotineiros, tais como sabonetes.  A produção de aminoácidos do NMF é influenciada por fatores extrínsecos e intrínsecos. A baixa umidade (inferior a 10% de umidade relativa) prejudica a função das enzimas hidrolíticas responsáveis ​​pela proteólise da filagrina e a geração de aminoácidos e, consequentemente, induz ao ressecamento superficial da pele. A radiação ultravioleta (UV) também prejudica o estrato córneo, interrompendo o processo de hidratação natural da pele. O declínio na produção de NMF provavelmente reflete os efeitos cumulativos do dano provocado pela radiação, uma vez que este declínio foi observado no estrato córneo recuperado da parte de trás da mão (danificado pela radiação), mas não no estrato córneo interno do bíceps (protegido da radiação). Na verdade, resultados recentes de métodos confocais in vivo demonstraram reduções na quantidade de todos os aminoácidos do NMF nas camadas superficiais do estrato córneo, em grande parte como resultado de danos causados ​​pelo banho ou luz ultravioleta.

hidratantes ajudam a manter o fator de hidratação natural (NMF) da pele equilibrado
O uso de hidratantes é uma das formas de hidratar a pele.
Foto: chezbeate/Pixabay.

Já os estudos de microscopia eletrônica sugerem níveis mais baixos de NMF presentes na pele envelhecida em comparação com os níveis de pele jovem. Na xerose senil, uma condição de pele seca comum em pessoas idosas, há síntese reduzida de proglicerina e diminuição da quantidade de aminoácidos.

Além dos aminoácidos, outros componentes do NMF têm função importante, tal como a ureia. Existe um déficit de ureia no estrato córneo de pessoas com dematite atópica e pessoas idosas que pode ser corrigido através da aplicação tópica de ureia ou de sua arginina precursora. O lactato e o potássio também desempenham um papel importante na manutenção do estado de hidratação e propriedades físicas (rigidez e pH) do estrato córneo em indivíduos saudáveis, como relatado em estudos recentes.

O que fazer para manter a pele saudável?

Conforme aqui exposto, de várias formas e por algumas razões a pele perde água. E isso acaba por prejudicar as funções que ela deveria então desempenhar. Desta forma, é bastante relevante que adotemos diferentes cuidados fundamentais da pele como rotina diária para que de fato auxiliem a pele a atingir seu estado mais saudável. Duas maneiras bastante simples de fazer isso são através da maior ingestão de água e da aplicação regular de cremes hidratantes.

 

Referências:

RAWLINGS, Anthony V.; HARDING, Clive R. Moisturization and skin barrier function. Dermatologic therapy, v. 17, n. s1, p. 43-48, 2004.

VERDIER‐SÉVRAIN, Sylvie; BONTÉ, Frédéric. Skin hydration: a review on its molecular mechanisms. Journal of cosmetic dermatology, v. 6, n. 2, p. 75-82, 2007.

ANÚNCIO

ANÚNCIO

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.