Descrição da fórmula

Nesta fórmula de shampoo sem sulfato com zinco (BB0001), utilizamos um tensoativo sem sulfato da classe dos isetionatos, que são bons formadores de espuma. Como esse tipo de produto é difícil de espessar e obter uma viscosidade comparável a um shampoo comum com lauril éter sulfato de sódio, utilizamos um acrilato como agente espessante. O ponto-chave dessa fórmula é dispersar primeiro o acrilato antes do tensoativo aniônico e só depois neutralizar com o alcalinizante.

Como essa fórmula possui um polímero catiônico condicionante, o Polyquaternium-7, é importante adicioná-lo em um pré-mix com água e somente após a neutralização do acrilato. O Zinc PCA, como outros derivados de zinco, ajuda a controlar a oleosidade do couro cabeludo. Reclamação recorrente de quem opta pelo uso de shampoos sem sulfato.

 

Fórmula percentual

IngredienteFunçãoConcentração
1AquaVeículo45,0000%
2CI 73015 (and) CI 19140Corante0,0250%
3Acrylates CopolymerEspessante4,0000%
4Sodium Lauroyl Methyl IsethionateTensoativo 1o25,0000%
5Sodium Hydroxide 25%Ajuste de pH0,4000%
6Cocamidopropyl BetaineTensoativo 2o8,0000%
7Cocamide DeaSobrengordurante6,0000%
8ParfumPerfume0,2500%
9AquaVeículo5,0000%
9Polyquaternium-7 10%Condicionante1,0000%
10AquaVeículo4,1250%
10Zinc PCAUmectante0,1000%
11Phenoxyethanol (and) Benzoic Acid (and) Dehydroacetic AcidConservante0,7000%
12Citric Acid 50%Ajuste de pH0,4000%
TOTAL100,0000%

 

Vem formular com a gente!

Artigo anteriorSabonete Líquido com Pantenol – AA0001
Próximo artigoMáscara Capilar Desmaio dos Fios – DB0002
O cformula é uma iniciativa inédita do Cosmética em Foco que publica vídeos gratuitos sobre fórmulas e matérias-primas cosméticas para educação, ensino e capacitação de profissionais da indústria cosmética. Aviso legal: As formulações aqui apresentadas gratuitamente e de boa fé são sugestões de aplicação de ingredientes cosméticos para ensino e demonstração de uso das respectivas matérias-primas. Não nos responsabilizamos por mau uso de ingredientes. Recomendamos que somente sejam aplicadas em seres humanos ou comercializadas, fórmulas que já tenham passado por estudo de estabilidade e avaliação de segurança. Também recomendamos verificar a conformidade com legislação vigente e patentes depositadas nos países em que o seu produto venha a ser comercializado. Os conservantes utilizados nas fórmulas são sugestões de uso de tais matérias-primas seguindo recomendações dos fabricantes. Sua eficácia deve ser verificada a partir de um teste de desafio do sistema conservante (challenge test).