A calvície aflige cerca de 50% da população masculina do planeta, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde).  Já no Brasil, a Sociedade Brasileira para Estudo do Cabelo (SBEC) estima que afete 42 milhões de homens.
A calvície de causa genética, também denominada de alopecia androgenética, é uma das causas mais comuns. Segundo a tricologista Viviane Coutinho, que está tratando a calvície do cantor Diogo Nogueira, os primeiros sinais do mal geralmente surgem logo no inicio da idade adulta. A herança genética pode vir tanto do pai quanto da mãe. Como ela não atinge tanto as mulheres, você pode herdar do seu avô materno.
Mas será que devemos aceitar a herança genética. Segundo Viviane, a resposta é não. “A gente controla , não modificamos a calvície, mas controlamos. Precisará de cuidados especiais,  mas você não precisa ser condenado à sua genética. A prevenção é sempre o melhor recurso,  já que se deixarmos por muito tempo pode evoluir a uma calvície irreversível”, explica.
O tratamento não é igual para todos os homens.
“Não tem um protocolo para todos. As indicações em geral, que a gente faz são: manter o couro cabeludo saudável, equilibrando a pele dele; estimula fios novos, nutrindo, oxigenando os folículos. Com isso, a gente vai manter o ciclo capilar perto do padrão normal”, afirma.
Viviane Coutinho, tricologista.
Foto: Divulgação.
Coutinho diz que é preciso se atentar aos sinais e, caso seja necessário, procurar a ajuda de um profissional.
“Se você reparar um processo de afinamento, procurar um profissional bem rápido, já que este é o primeiro sinal da calvície, principalmente no topo da cabeça. Mas se você já tem uma predisposição genética, pode já ir em um especialista para que ele avalie”, conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui